Blog

Lançamento-debate com Lutz Taufer e Flávio Tavares discutirá erros e acertos da luta armada

Em 7 de agosto, dois ex-guerrilheiros, o alemão Lutz Taufer e o brasileiro Flávio Tavares, conversam sobre a potência das lutas da década de 1960, guerrilhas, transformações políticas, Che Guevara e ativismo no século XXI. No marco do lançamento de sua autobiografia, Atravessando Fronteiras  – da guerrilha urbana ao trabalho comunitário nas favelas brasileiras, o alemão Lutz Taufer, chega à Fundação Rosa Luxemburgo (depois de passar pela FLIP, em Paraty) para participar de um diálogo com o jornalista Flávio Tavares que recentemente lançou a publicação As três mortes de Che Guevara. Em comum, ambos participaram da luta armada nos anos de 1960 e viveram...

Continue Lendo →

Carta Capital: Os piratas editoriais invadem a Flip

Reportagem publicada na última edição de Carta Capital.

Evento tradicionalmente dominado pelo estreito círculo das editoras mainstream, a Festa Literária Internacional de Paraty será invadida por piratas em 2018. O ato chama-se Flipei, Festa Literária Pirata das Editoras Independentes, e reunirá autores e personalidades políticas de perfil progressista, como Djamila Ribeiro, Esther Dwek, Gregório Duvivier, Guilherme Boulos, Jessé Souza, Laura Carvalho, Manuela D’Ávila, Marcelo Freixo, Marcelo Semer, Marcia Tiburi, Roberta Estrela D’Alva, Sabrina Fernandes, Sonia Guajajara, Suely Rolnik, Tatiana Roque e Wagner Schwartz, entre dezenas de outros.

A iniciativa é da editora Autonomia Literária e da plataforma cooperativa Rizoma (“o vietcong das editoras independentes” contra “a ilha colonial de Paraty”). “Por estar tendo que se reinventar, a Flip começou a permitir que outras iniciativas menores do mercado editorial participassem da feira”, diz o editor da Autonomia Literária, Cauê Ameni.

“Com a procura de casas para alugar no maior evento literário do País, a especulação imobiliária começou a atuar com mais intensidade em Paraty, e então pensei: é melhor alugar um barco de um caiçara local do que pagar uma fortuna para algum herdeiro.”

Ele explica o ideário e o formato: “Vamos juntar as editoras que estão florescendo no mercado com seus autores para fazer debates, lançamentos e saraus. Todas têm um alinhamento político progressista organicamente, porque estão tentando mudar o mercado convencional, que está caindo aos pedaços, com os monopólios das grandes livrarias devendo fortunas. Para isso, não poderia existir uma plataforma melhor que um barco pirata”. Os debatedores deverão falar no barco ancorado, para uma plateia localizada no continente.

“A estrutura de um barco pirata é perfeita para que pequenas editoras de esquerda promovam debates políticos, sobretudo no período sombrio que o País está atravessando”, define Ameni.

As editoras independentes que compõem o conglomerado corsário são Autonomia Literária, Boitempo, Contracorrente, Dublinense, Elefante, Escola da Cidade, Expressão Popular, Hedra, Lote 42, N-1, Nós, Politeia, Relicário, Ubu e Veneta. 

Confira os lançamentos da Autonomia Literária e a programação completa da Flipei

A Flip -- Festa Literária Internacional de Paraty, maior evento literário da América Latina, vai acontecer entre 25 a 29 de julho e a Autonomia Literária com mais outras doze editoras independentes (Elefante, Dublinense, Boitempo, Lote 42, n-1 edições, Nós, Contracorrente, Veneta, Ubu, Relicário, Expressão Popular, Filosófica Politeia, Editora Hedra, Escola da Cidade) estão preparando um ataque em seu barco pirata àquela cidade colonial histórica com uma programação bombástica na Flipei - Festa Literária Pirata das Editoras Independentes. E, como não poderia ser diferente, essa minúscula editora vai colocar mais nitroglicerina na fogueira dessa eletrizante programação (veja ela completa abaixo). No sábado (28/07),...

Continue Lendo →

Lutz Taufer: Atravessando Fronteiras

Atravessando Fronteiras: da guerrilha urbana na Alemanha ao trabalho comunitário nas favelas brasileiras é o mais novo lançamento da Autonomia Literária. Obra icônica, narrada em primeira pessoa, por Lutz Taufer (1944), militante alemão do movimento antipsiquiátrico e, depois, membro da segunda geração da RAF, a temida Fração do Exército Vermelho, guerrilha urbana alemã ocidental dos anos 1960 e 1970, presente no célebre sequestro à Embaixada Alemã em Estocolmo e, depois de anos de prisão, ativista social nas favelas brasileiras. Mais do que o ato de cruzar dois mundos tão diferentes quanto Alemanha e Brasil, Taufer atravessou fronteiras de todos os tipos...

Continue Lendo →

O Que Esperar do México de AMLO?

Andrés Manuel López Obrador, o AMLO, sacudiu por inteiro o cenário político mexicano com sua eleição presidencial. Será que ele conseguirá remodelar seu país? Por Edwin F. Ackerman* para Jacobin Magazine (Tradução de Aldo Cordeiro Sauda, revisão e edição de Hugo Albuquerque) É difícil superestimar a dimensão da vitória de Andrés Manuel López Obrador , o AMLO como é amplamente conhecido no México, nas eleições presidenciais de seu país neste último domingo. AMLO ganhou com 53% dos votos, incríveis 30 pontos percentuais a mais que o segundo colocado, o direitista Ricardo Anaya. O presidente eleito do México obteve a maior quantidade...

Continue Lendo →

Jean Tible – A esquerda se divide em dois polos: quem celebra e quem detesta Junho

Em entrevista ao IHU online, Jean Tible, autor de Marx Selvagem que ganhou novíssima edição que está prestes a ser lançada pela Autonomia Literária no evento América Des-coberta, fala sobre o estado da arte da crise da esquerda brasileira, impasses e alternativas para se constituir novos caminhos. Por Patricia Fachin para o IHU Online “A esquerda se divide em dois polos: quem celebra e quem detesta Junho”, resume Jean Tible à IHU On-Line, na entrevista a seguir, concedida por e-mail. Segundo ele, o “polo” que existe entre a esquerda anti-Junho e a pró-Junho também foi manifestado na greve dos caminhoneiros, que aconteceu no mês passado. “É curioso como parte da esquerda tem...

Continue Lendo →

Depois do Colonialismo Mental: Mangabeira Unger e um Projeto de Nação

Depois do colonialismo mental: repensar e reorganizar o Brasil, de Roberto Mangabeira Unger, chegou às livrarias. Professor de Harvard e ex-ministro de Estado, Mangabeira teve entre seus alunos ninguém mais ninguém menos do que o ex-presidente americano Barack Obama. Nessa edição, com direito a um Sebastião Salgado na capa e um prefácio especialíssimo de Caetano Veloso, em um combo único de brasilidade, Mangabeira trata do hercúleo desafio de repensar e reorganizar o país. 

Os lançamentos do livro, em São Paulo e Rio de Janeiro — na última, com a presença ilustre do próprio Caetano — materializaram essa peregrinação cívica do professor e uma busca por um experimentalismo: como superar a polaridade entre PT e PSDB sem naufragar num utopismo vão ou, pior, cair no conformismo cúmplice dos nossos problemas ancestrais?

Mangabeira, por sinal, já atentava para uma crítica severa a PT e PSDB, e da coesão da polaridade entre entre os dois, muito antes da crise que agora os põe em xeque juntos — e ainda que não se concorde com as observações do autor, é necessário reconhecer que alguma coisa ele anteviu: sobretudo quando a intelectualidade brasileira, quase em sua totalidade, entendia ser a Nova República mais firme do que realmente é e que, ainda por cima, PT e PSDB, cada qual em seu lado do ringue, conseguiam sintetizar com grande efetividade nossas aspirações.

A própria obra lançada é uma prova desse aspecto visionário de Mangabeira, reunindo escritos atuais e alguns de anos recentes, sobretudo do ciclo que se inicia com a vitória de Lula — a quem Mangabeira, mesmo sem apoia-lo inicialmente, resolveu apoiar na reta final de 2002 e no governo do qual integrou os quadros ministeriais. Assim, o livro ganha aspecto de documento histórico, de uma das testemunhas oculares da história política do Brasil no século 21.

Nas palavras do próprio Mangabeira, esse chamado a um projeto nacional passa por “”. Em vez de repetir modelos estrangeiros, ou se entregar ao fatalismo da nossa existência enquanto país periférico. No momento atual, com o país em grave crise econômica, política e social — efeito do fracasso anunciado da presidência de Michel Temer —  as instituições e a sociedade se esgarçam radical e velozmente, esse livro de Mangabeira contribui com novos horizontes e, também, abre um debate necessário.

Mangabeira encontra Caetano, por sinal, em um ponto curioso, que é a figura de Leonel Brizola, ponto no qual ambos se reencontram na figura de Ciro Gomes hoje instalado no PDT brizolista.

Nesse sentido, antes de adesões e críticas apressadas, é preciso ler e entender Mangabeira

Clique aqui e garanta agora mesmo seu exemplar!

De Canudos à remoção da Nazaré: o 7×1 das violações de empresas alemãs no Brasil

Por Luís Eduardo Gomes para o Sul 21 O que o massacre de Canudos, narrado no livro Os Sertões, de Euclides da Cunha, tem a ver com a remoção de mais de duas mil famílias da Vila Nazaré para a ampliação da pista do aeroporto Salgado Filho, em Porto Alegre? O envolvimento de empresas alemãs. O histórico de violações de direitos humanos das companhias germânicas, que une essas remoções de comunidades pobres separadas por milhares de quilômetros e mais de um século no tempo, é o tema do livro Empresas Alemãs no Brasil: O 7×1 na Economia, que teve seu lançamento em...

Continue Lendo →

Toni Negri: O que se Esconde por Trás da Crise Italiana?

O pensador e militante revolucionário Toni Negri analisa a grave crise italiana, antevendo o impasse pós-eleitoral atual, o qual põe em xeque não só a União Europeia como joga querosene crise política global. Entrevista de Toni Negri para Francesco Oggiano para a Vanity Fair italiana  (Tradução Hugo Albuquerque) Nota de Tradução -- Pouco antes das eleições italianas de 4 de março último, Toni Negri, autor de Marx além de Marx, Verdades Nômades e personagem central de Negri no Trópico, todos publicados pela Autonomia Literária (o segundo publicado em parceria com a Editora Politéia e o último com a N-1 e a...

Continue Lendo →

Varoufakis: como, e por que, o petróleo ainda move o mundo?

Em tempos de crise aguda no Brasil, na qual a política de Temer para os combustíveis está no cerne do movimento de caminhoneiros que parou o Brasil, essencial entender a natureza do petróleo na atual economia capitalista: não só como matriz energética, sobretudo, como importante fator econômico. Por Yanis Varoufakis Trecho do capítulo "Interregno: crises do petróleo dos anos 1970, estagflação e aumento das taxas de juro", extraído do livro "O Minotauro Global" publicado pela Autonomia Literária em 2016. Logo depois, Nixon despachou seu secretário do Tesouro (um pragmático texano chamado John Connally) para a Europa com uma mensagem clara....

Continue Lendo →

Quais as Razões da Ocupação Negra na PUC-SP?

Por James Hermínio Porto Silva Os estudantes de Serviço Social da PUC-SP ocuparam os dois prédios do campus Monte Alegre, em Perdizes, contra o racismo institucional na contratação de professores negros. Não faço parte do curso ou da ocupação, mas como graduado na PUC-SP, posso dizer a razão dos estudantes estarem certos. Passamos e ter negros estudando em universidades, mas a pergunta que se coloca é: e os professores?  Minorias nas universidades: lembrando o que todo mundo sabe "Nas universidades brasileiras, apenas 2% dos alunos são negros", era uma das falas de Primo Preto, mais um sobrevivente, na música Capítulo...

Continue Lendo →

Chegou Maio de 68: A Brecha: um Jovem Cinquentão no Brasil

Finalmente, Maio de 68: a Brecha ganha uma edição em língua portuguesa e nós da Autonomia Literária temos a honra, neste cinquentenário da Revolução Global de 1968, de apresenta-la ao público brasileiro. A icônica obra, escrita pelo memorável trio formado por Cornelius Castoriadis, Claude Lefort e Edgar Morin, ganha vida no Brasil de 2018 na fina e criteriosa tradução dos jovens Anderson Lima da Silva e Martha Coletto Costa -- com prefácio à edição brasileira do quase centenário Morin, ironicamente o mais velho dos três autores e o único ainda vivo, apresentação à edição brasileira de Marilena Chaui, ensaio crítico...

Continue Lendo →

Maio ou maios de 68?

Na irreparável brecha na ordem social, penetraram temáticas que nos anos precedentes estariam latentes nas lutas mundo afora. Artigo do professor da USP José Eli da Veiga para o jornal Valor Econômico. As manifestações parisienses que há exato meio século provocaram insólito abalo político foram muito mais impactantes do que ocorrências similares que desde 1967 se multiplicavam por outras plagas. Desencadearam históricas mudanças socioculturais cuja compreensão continua a desafiar as humanidades, a começar pela análise política propriamente dita. Foi só na França que movimentos de universitários e secundaristas catalisaram intelectuais e jovens operários na deflagração de greve geral que paralisou toda uma nação....

Continue Lendo →

WordPress Appliance - Powered by TurnKey Linux