Oferta!

Mobilidade antirrascista

Autores: Anna Nygård, Agenda Nacional pelo Desencarceramento, Ayanna Pressley, BNegão, Daniel Caribé, Daniel Santini, Denílson Araújo de Oliveira, Elisa Lucinda, GOG, Higo Melo, Jô Pereira, João Bertholini, João Pedro Martins Nunes, Juliana Lama, Katarine Flor, Kelly Cristina Fernandes Augusto, Kazembe Balagun, Lisandra Mara, Luana Costa, Luana Vieira, Lucas Koka Penteado, Lúcia Xavier, Marcelle Decothé, Matheus Alves, Mayra Ribeiro, Meimei Bastos, MC Martina, Monique Cruz, Movimento Passe Livre, Nego Bispo, Neon Cunha, Nívea Sabino, Paíque Duques Santarém, Paulo Lima, Rafaela Albergaria, Tainá de Paula, Talíria Petrone, Tom Grito e Vitor Dias Mihessen.
Desenho da capa: Juliana Del Lama
Fotos:
Matheus Alves
Diagramação:
Sobinfluencia
Páginas:
 394
ISBN: 978-65-87233-41-3
Apoio: Fundação Rosa Luxemburgo
PRÉ-VENDA / O LIVRO ESTARÁ DISPONÍVEL EM ABRIL
*Informar na compra a cor da capa desejada

R$40.00 R$28.00

Mobilidade antirracista” coloca em questão um dos aspectos mais importantes e menos discutidos do racismo: a espacialidade. O racismo é relação social e, como toda relação, se materializa em um espaço constituído por determinadas condições históricas. Pensar a “raça” de forma crítica é, portanto, considerá-la um construto socioespacial. Com efeito, características físicas e práticas culturais são apenas o dis- positivo que faz atuar sobre os indivíduos uma série de mecanismos de controle e de dominação. O tratamento dispensado pelo presente livro à questão da mobilidade urba- na nos leva a refletir como o racismo opera na configuração dos espaços e na determinação das condições com que os corpos se movimentam em cidades organizadas pela lógica da exploração capitalista. Por isso, a luta antirracista consiste na formulação teórica e na realização de práticas políticas que quebrem as interdições raciais e de classe.
– Silvio Luiz de Almeida, presidente do Instituto Luiz Gama, doutor em direito, professor e advogado.

“A partir de 2018, o brasileiro passou a gastar mais com transporte do que com alimentação, perdendo apenas para os gastos com habitação. Em média, 18% dos ganhos dos assalariados se destinam ao transporte. Quanto menor o rendimento das famílias, maior o percentual de gasto com o transporte público; quanto maior o rendimento, maior o gasto com compras de veículos.”
– Talíria Petrone, deputada federal pelo PSOL-RJ e prefaciadora do livro.

“Que diante dos abismos aprofundados com a Covid-19, com este livro possamos conduzir os trens da resistência para vencermos a pandemia do racismo, do sexismo e da segregação espacial brutal que se abate sobre o nosso povo.”
– Vilma Reis, socióloga, ativista do Movimento de Mulheres Negras e cofundadora da Coletiva Mahin Organização de Mulheres Negras.

Avaliações

Não há avaliações ainda.

Seja o primeiro a avaliar “Mobilidade antirrascista”

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *