Blog

Editoras e autores independentes, uni-vos, pois a Flipei está de volta!

A Flipei (Festa Literária Pirata das Editoras Independentes) está de volta em 2019 com seu barco pirata anarco-comunista e escolheu este Primeiro de Maio¹ de luta para revelar suas novas tramoias e ambições.

A primeira delas é histórica: resgatar o lado socialista de Euclides da Cunha, convenientemente esquecido na latrina da história, que será homenageado na Flip 2019. Poucos sabem, mas autor do clássico Os Sertões foi preso e expulso do Exército, em 1888, por um ato de rebeldia ao quebrar seu sabre numa cerimônia com o ministro da Guerra do Império, Tomás Coelho. Após um breve período de exclusão, Euclides volta a ser reintegrado pelo Exército na República, mas continuou se envolvendo com ideias iconoclastas e passa a assinar seus artigos e crônicas no jornal A Província de São Paulo, o antigo Estadão, com o pseudônimo do anarquista Joseph-Pierre Proudhon, a quem se referia como um dos pensadores mais originais de seu tempo. Assim como Lima Barreto, negro anarquista, Euclides também teve seu passado político ceifado no decorrer da história.

No Primeiro de Maio de 1899, Euclides escreveu um manifesto inflamado no jornal O Proletário, lembrando que a data “se destina a preparar o advento da mais nobre e fecunda das aspirações humanas: a reabilitação do proletariado pela exata distribuição de justiça, cuja a formula suprema consiste em dar a cada um o que cada um merece. Daí a abolição dos privilégios derivados quer do nascimento, quer da fortuna, quer da força. Para esse fim é necessário promover a solidariedade entre todos os que formam a imensa maioria dos oprimidos sobre que pesam as grandes injustiças das instituições e preconceitos sociais da atualidade (…) o clube ‘Filhos do Trabalho’ promoverá a divulgação dos princípios essenciais do programa socialista, empenhando-se em difundi-lo entre todas as classes sociais”.

No mesmo texto, o ex-militar defende 21 pontos do programa socialista no jornal ligado ao Clube Democrático Internacional Filhos do Trabalho. Entre eles, está a emancipação da mulher com direitos iguais, impostos pesadíssimos sobre a renda, dissolução e distribuição dos bens do clero para a sociedade, escolas e justiça gratuita para todos, substituição das forças armadas pelo povo armado; estabelecimento de bolsas de trabalho e juros iguais para todos os cidadãos.

Dois anos depois de ter publicado Os Sertões, em 1904, Euclides se radicaliza ainda mais em favor do socialismo, defendendo o legado intelectual do comunista alemão Karl Marx, “este inflexível adversário de Proudhon”, quando lembra, num artigo intitulado Um velho problema, que: “o caráter revolucionário do socialismo está apenas no seu programa radical. Revolução: transformação. Para conseguir, basta-lhe erguer a consciência do proletário (…) Porque a revolução não é um meio, é um fim; embora, às vezes, lhe seja um meio termo, a revolta. Mas esta sem a forma dramática e ruidosa de outrora. As festas do primeiro de maio são, quanto a este último ponto, bem expressivas. Para abalar a terra inteira, basta que a grande legião em marcha pratique um ato simplíssimo: cruzar os braços… Porque o seu triunfo é inevitável”.

Todos os textos trazendo o lado socialista do autor estará disponível no livro que a editora Autonomia Literária, idealizadora da Flipei, lançará no evento.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Nossa segunda arma no front é o reforço que traremos diretamente dos confins do Bixiga: o Rizomóvel, o vietcong nômade das editoras independentes. Nele vamos montar uma biblioteca pública com todo o acervo independentes presentes no barco e um estúdio de podcast onde nossos convidados serão entrevistados.

A terceira arma vai de encontro com um fenômeno interessantíssimo que vem rolando no mercado editorial: autores sem editora. Como se sabe, o livro “à cidade”, de Mailson Furtado, recebeu ano passado o mais consagrado, antigo e prestigiado prêmio literário do país, o Jabuti. A obra é uma publicação independente na qual o próprio autor desenhou a capa, foi atrás de revisão, diagramação e publicou sem nenhuma editora. Os bucaneiros da Flipei irão, portanto, reservar um espaço especial no barco para esses novos guerrilheiros autônomos na qual será cobrado apenas a taxa do cartão nas vendas (5%). Afinal, o que diferencia um pirata de um mercenário é a distribuição do butim.

Para colocar seu livro a venda em nossa nau pirata, basta preencher ESSA PLANILHA.

Não conhece a Flipei?

A Flipei é uma intervenção política feita por editoras independentes e uma trupe de anarquistas, comunistas, trotskystas, maoístas, bolivarianos e autonomistas na maior feira literária do país. Em nossa primeira edição conseguimos colocar no mar e na terra 69 horas de programação, pouquíssimas horas de sono, e cerca de 15.000 pessoas passando pelos nossos gramados, esticando suas cangas, tomando sol, comprando livros e vivenciando nosso pequeno Woodstock pirata.

E como dizia o lema de junho de 2013, “amanhã vai ser maior”, este ano pretendemos produzir um evento mais pujante, com menos hierarquias e mais horizontalidade, mais anticapitalista e com uma rede rizomática que aceite todas nossas próprias diferenças.

Assim como Euclides escreveu textos inflamados no primeiro de maio, convocou os trabalhadores à revolução e fez junções heterodoxas entre Marx e Proudhon de arrepiar os cabelos da burguesia, estaremos lá com nossa embarcação pirata para ecoar o legado de todas essas lutas. Sigamos na aventura de inventar os novos mapas de um “um mundo onde caibam vários mundos”, como diriam os zapatistas. Aguardem os próximos capítulos desse folhetim pirata, com ou sem garrafa de rum.

  1. Primeiro de maio foi o dia em que 08 trabalhadores anarquistas foram encomendados para a morte pelo Estado em 1886, nos EUA. Em meio a uma greve geral que reivindicava as 8 horas de trabalho diário que temos hoje, foram acusados de soltar uma bomba em meio a paralisação. Anos depois de serem sentenciados se constatou que não havia provas suficientes para a comprovação deste fato.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Você pode usar estas tags HTML e atributos:

<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

Time limit is exhausted. Please reload the CAPTCHA.