Blog

Depois do Colonialismo Mental: Mangabeira Unger e um Projeto de Nação

Depois do colonialismo mental: repensar e reorganizar o Brasil, de Roberto Mangabeira Unger, chegou às livrarias. Professor de Harvard e ex-ministro de Estado, Mangabeira teve entre seus alunos ninguém mais ninguém menos do que o ex-presidente americano Barack Obama. Nessa edição, com direito a um Sebastião Salgado na capa e um prefácio especialíssimo de Caetano Veloso, em um combo único de brasilidade, Mangabeira trata do hercúleo desafio de repensar e reorganizar o país. 

Os lançamentos do livro, em São Paulo e Rio de Janeiro — na última, com a presença ilustre do próprio Caetano — materializaram essa peregrinação cívica do professor e uma busca por um experimentalismo: como superar a polaridade entre PT e PSDB sem naufragar num utopismo vão ou, pior, cair no conformismo cúmplice dos nossos problemas ancestrais?

Mangabeira, por sinal, já atentava para uma crítica severa a PT e PSDB, e da coesão da polaridade entre entre os dois, muito antes da crise que agora os põe em xeque juntos — e ainda que não se concorde com as observações do autor, é necessário reconhecer que alguma coisa ele anteviu: sobretudo quando a intelectualidade brasileira, quase em sua totalidade, entendia ser a Nova República mais firme do que realmente é e que, ainda por cima, PT e PSDB, cada qual em seu lado do ringue, conseguiam sintetizar com grande efetividade nossas aspirações.

A própria obra lançada é uma prova desse aspecto visionário de Mangabeira, reunindo escritos atuais e alguns de anos recentes, sobretudo do ciclo que se inicia com a vitória de Lula — a quem Mangabeira, mesmo sem apoia-lo inicialmente, resolveu apoiar na reta final de 2002 e no governo do qual integrou os quadros ministeriais. Assim, o livro ganha aspecto de documento histórico, de uma das testemunhas oculares da história política do Brasil no século 21.

Nas palavras do próprio Mangabeira, esse chamado a um projeto nacional passa por “”. Em vez de repetir modelos estrangeiros, ou se entregar ao fatalismo da nossa existência enquanto país periférico. No momento atual, com o país em grave crise econômica, política e social — efeito do fracasso anunciado da presidência de Michel Temer —  as instituições e a sociedade se esgarçam radical e velozmente, esse livro de Mangabeira contribui com novos horizontes e, também, abre um debate necessário.

Mangabeira encontra Caetano, por sinal, em um ponto curioso, que é a figura de Leonel Brizola, ponto no qual ambos se reencontram na figura de Ciro Gomes hoje instalado no PDT brizolista.

Nesse sentido, antes de adesões e críticas apressadas, é preciso ler e entender Mangabeira

Clique aqui e garanta agora mesmo seu exemplar!

Leave a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

You may use these HTML tags and attributes:

<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

Time limit is exhausted. Please reload the CAPTCHA.