Blog

Carta Capital: Os piratas editoriais invadem a Flip

Reportagem publicada na última edição de Carta Capital.

Evento tradicionalmente dominado pelo estreito círculo das editoras mainstream, a Festa Literária Internacional de Paraty será invadida por piratas em 2018. O ato chama-se Flipei, Festa Literária Pirata das Editoras Independentes, e reunirá autores e personalidades políticas de perfil progressista, como Djamila Ribeiro, Esther Dwek, Gregório Duvivier, Guilherme Boulos, Jessé Souza, Laura Carvalho, Manuela D’Ávila, Marcelo Freixo, Marcelo Semer, Marcia Tiburi, Roberta Estrela D’Alva, Sabrina Fernandes, Sonia Guajajara, Suely Rolnik, Tatiana Roque e Wagner Schwartz, entre dezenas de outros.

A iniciativa é da editora Autonomia Literária e da plataforma cooperativa Rizoma (“o vietcong das editoras independentes” contra “a ilha colonial de Paraty”). “Por estar tendo que se reinventar, a Flip começou a permitir que outras iniciativas menores do mercado editorial participassem da feira”, diz o editor da Autonomia Literária, Cauê Ameni.

“Com a procura de casas para alugar no maior evento literário do País, a especulação imobiliária começou a atuar com mais intensidade em Paraty, e então pensei: é melhor alugar um barco de um caiçara local do que pagar uma fortuna para algum herdeiro.”

Ele explica o ideário e o formato: “Vamos juntar as editoras que estão florescendo no mercado com seus autores para fazer debates, lançamentos e saraus. Todas têm um alinhamento político progressista organicamente, porque estão tentando mudar o mercado convencional, que está caindo aos pedaços, com os monopólios das grandes livrarias devendo fortunas. Para isso, não poderia existir uma plataforma melhor que um barco pirata”. Os debatedores deverão falar no barco ancorado, para uma plateia localizada no continente.

“A estrutura de um barco pirata é perfeita para que pequenas editoras de esquerda promovam debates políticos, sobretudo no período sombrio que o País está atravessando”, define Ameni.

As editoras independentes que compõem o conglomerado corsário são Autonomia Literária, Boitempo, Contracorrente, Dublinense, Elefante, Escola da Cidade, Expressão Popular, Hedra, Lote 42, N-1, Nós, Politeia, Relicário, Ubu e Veneta. 

Leave a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

You may use these HTML tags and attributes:

<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

Time limit is exhausted. Please reload the CAPTCHA.